CELULAR

Hoje temos nas mãos algo que não deveria mais se chamar telefone, mas computador que, além de mil outras funções, também faz chamadas de voz. Apenas para dar uma ideia da potência do aparelho, ele contém mais tecnologia do que foi necessário para enviar o homem à lua no projeto Apollo (há quem diga que as naves pousaram mesmo no deserto do Arizona, mas isso é teoria da conspiração, deixemos para depois da aprovação nos concursos).

A questão passou a ser justamente a disputa entre os benefícios dessa tecnologia e a incrível possibilidade de dispersão de energia vital que um celular pode causar.

Como resolver essa equação?

A resposta é: disciplina.

Grande parte do uso deste aparelho é para o acesso às redes sociais, e por isso separei um capítulo só para falar sobre isso; está logo depois desse.

O que resta de uso do celular ainda é muita coisa que pode atrapalhar nosso desempenho nos estudos e na assimilação. Então vamos ao debate de alguns assuntos:

Em primeiro lugar, lembre-se de que é você que domina o aparelho, e não o contrário. Você tem o poder de ligá-lo e desligá-lo, de atender a uma chamada ou não, de abrir um aplicativo ou de desinstalá-lo. Você é o líder do seu celular, parafraseando Cesar Milan, o encantador de cães.

Evite levar o aparelho para a cama, principalmente se já for a hora de dormir. Deixe-o no banheiro, na sala, dentro do armário, de preferência desligado. Excluindo, é claro, quem tem que mantê-lo ligado por questões de trabalho, saúde ou por motivos bem pontuais como alguém que tem um filho, amigo, irmão que mora no Japão, e vai acabar te ligando tranquilamente às 4 da manhã...

Ao acordar, evite tocar no aparelho. Retire esse hábito de, praticamente dormindo ainda, buscar o aparelho com as mãos para ver que horas são. Compre um relógio barato de parede ou de cabeceira. Com isso você não tem a chance de, após ver as horas no celular, enveredar pelas redes sociais, notícias, joguinhos e outras dispersões.

Se você está matriculado em um curso on-line, e vai utilizar o celular para acompanhá-lo, aí a conversa é outra Mas mesmo assim, siga os passos descritos no capítulo "Manhãs Gloriosas", antes de mergulhar no conteúdo. E da mesma forma, assim proceda se precisa entrar em contato com alguém ainda pela manhã.

É impossível abranger aqui todas as possibilidades em que seria estritamente necessário abrir o celular ainda de manhã, para realizar algo que não poderia esperar. Então, o melhor a fazer, é usar o bom senso, e evitar tocar no aparelho se não existir um bom motivo pela manhã, ainda em casa.

Abrindo mais uma exceção, uma boa utilidade é o acesso à uma coleção infindável de músicas , que você pode escolher para ser a trilha sonora da manhã. Utilize um headphone, uma caixinha de som ou o alto-falante do aparelho mesmo. Da mesma forma, hoje há uma gama imensa de áudios com mensagens motivacionais, sons da natureza, mantras, música instrumental, etc, que podem ajudar na harmonização da sua vibração logo nas primeiras horas do dia.

 

Já falei sobre isso, mas é sempre bom relembrar: nada de notícias pela manhã em casa. Pode até parecer que sou contra os noticiários, mas não é isso. Na verdade, acredito que a sociedade avança e consegue expor suas mazelas e aqueles que as causam, muito em razão do jornalismo, que expõe nossas feridas. O que recomendo, como técnica, é não entrar em contato com imagens e informações pesadas pela manhã, seja no celular ou em qualquer outro meio de comunicação. Proteja sua mente e aproveite para mostrar a você mesmo qual será o astral do dia.

Um uso excelente do celular é ouvir as aulas anteriores ou o nosso próprio áudio lendo capítulos da apostila ou blocos de fichas inteiros. Pode ser ainda em casa ou no caminho para o trabalho ou onde você estuda. Não vai mais ter desculpa para tempo perdido. Experimente e apague a ideia de que você não "auditivo", que não consegue captar a informação somente por áudio, não estou pedindo para que você seja um exímio escutador. Note que não estou dizendo que será o seu único contato com aquela matéria, mas tão somente um reforço de ideias, ainda que você não tenha tanta facilidade com este canal de comunicação. Se este hábito for praticado com regularidade, a tendência é a de melhorarmos a nossa atenção às informações apresentadas, ainda que não seja a nossa especialidade.

Outro auxílio incrível que o celular pode nos oferecer, e este é realmente revolucionário para o nosso método, é a leitura de fichas diretamente no seu visor, quase como se estivéssemos vendo no papel. Esta aplicação nos oferece uma série de vantagens: não precisamos mais sair com os nossos blocos de fichas de casa, correndo o risco de perdê-los em algum lugar; o conteúdo, digo, as cores e o grafite não sofrerão a ação do tempo, perdendo a nitidez do que escrevemos; é um material que podemos levar para onde quisermos, sem preocupação com peso ou espaço para alocá-lo; podemos abrir discretamente no trabalho (nem sempre), e nem perceberão que estamos estudando para um dia sair dali (o que é um crime na maioria das empresas); podemos dar um print nas principais fichas e enviá-las para os colegas ou professores para um debate; podemos ainda imprimir aquelas que percebemos a necessidade de reforçar a informação, e colá-las na parede do quarto, da sala, da cozinha.

Essas são algumas utilidades, certamente você perceberá o avanço incrível que passamos a ter com a digitalização de nossas fichinhas. Creio até, indo mais longe, que um novo mundo começa a partir dessa possibilidade de digitalização do material em fichas de milhares de estudantes e professores. As possibilidades de compartilhamento e organização dos conteúdos são muito amplas. Ainda veremos muita coisa acontecer a partir daí.

Sobre o como digitalizar as fichas para o celular, fiz um e-book gratuito à parte somente para explicar essa operação. É uma rápida leitura que certamente vai facilitar a sua vida. Só para dar uma ideia, no início eu fotografava as fichas como imagem, em arquivos separados no celular, como se fossem fotografias, para depois assistir como slides. O resultado eram fotos desenquadradas, causando até um desconforto na releitura, além da precariedade de arquivamento posterior no computador. A técnica de digitalização que trato neste e-book, muda tudo isso, tornando tanto a imagem limpa e uniforme, como se fosse uma ficha, além de facilitar absurdamente a organização do material na nuvem.

Utilize o celular para assistir cursos on-line repetidas vezes. Assim aumentamos as chance de assimilar uma informação que passou batida nas vezes anteriores, isso é muito comum acontecer.

Interaja com os professores e colegas nos grupos de estudo e fóruns, mas sem exagero. Lembre-se de dedicar a maior parte do tempo ao estudo sozinho e introspectivo, que requer um grau maior de concentração, silêncio e isolamento, conforme já abordamos no capítulo "O local de estudo". Use o celular como ferramenta de auxílio, ele é muito bem vindo quando utilizado com moderação.