O  GRAVADOR

"Outro ponto importante que aproveitei muito no método e que aconselho a todos os concurseiros é a aquisição de um gravador. Considerem isto um investimento do concurso". (old times...)

 

Isso era o que eu dizia na última edição deste livro em 2011. Hoje não é mais necessário você investir em um gravador, ele já está na palma da sua mão, juntamente com um verdadeiro computador, que hoje, o que menos se faz é utilizá-lo como telefone.

Vejam como o mundo ficou mais fácil nesse sentido. Agora todos já tem à mão a ferramenta que antes tínhamos o trabalho de comprar separado. Sem contar no trabalho que era utilizar um negócio chamado fitas K7. Mas isso é coisa do passado, e seus problemas acabaram. Vamos ao que interessa, que é a função de uma ferramenta de gravação no nossos estudos.


A passagem da matéria dada em aula para a ficha fica muito mais bem aproveitada se acompanhada com o áudio da aula. Da seguinte maneira:


O áudio da aula fica enfadonho demais se gravado ininterruptamente. Além de ser algo extremamente cansativo, demandaria um tempo tremendo ouvir tudo de novo, inclusive os comentários sobre o jogo que passou ontem, o final da novela ou a entrevista com o artista; comentários que não escapam durante a aula e até fazem bem para quebrar a monotonia, mas para o nosso caso, durante a transposição da aula para a ficha, definitivamente
não existe espaço para desvios do foco da aula.


Então o aluno deve estar atento com seu gravador próximo, para dar um pause em todos os momentos em que a aula fugir do tema. Isto irá economizará nosso tempo de leitura quando formos passar tudo para a ficha.


Por que é importante o gravador?


Por mais que sejamos atentos em aula, escrevendo tudo para o caderno, sempre passa um comentário importante, uma dica, um macete, que não deu para reportar para o papel.

Então, quando calmamente escutarmos a aula em nosso estudo diário, teremos a oportunidade de ouvir de novo o que passou despercebido.


Como é feita esta passagem do áudio da aula para a ficha?


É simples. Em nosso programa diário de estudo, na parte que está destinada para o estudo daquela aula, iniciaremos com o áudio da aula concomitante ao acompanhamento do que passamos para o caderno de aula (Lembre-se de que o nosso caderno de aula é um caderno diferente, como o que está descrito no capítulo “Passando a Matéria durante a Aula para o Caderno”). Ele não é mais aquele capricho que a tia do ensino fundamental pedia para fazermos.

Acompanhando o áudio com as anotações do caderno, acionamos o "pause" para transcrever a combinação do áudio com o caderno para a ficha. Em seguida damos o "play" e escutamos o decorrer da aula, sempre utilizando o "pause" para fazer a transposição do que for importante para uma nova ficha.

Não deixe para fazer a ficha no final da gravação. Vá ouvindo e pausando quando tiver que fazer uma ficha. Essa paciência é crucial. Não adianta correr e perder a oportunidade de construir uma ficha única, que facilitará demais as futuras revisões.

O próximo passo é passar este áudio para o computador. Se estiver em mp3 é ótimo porque ocupa pouco espaço. Do contrário recomendo que você faça a conversão para o mp3. 

Por que guardar no computador, se já transcrevi o essencial para fichas?

A razão é poder contar com mais uma fonte de estudos, além das fichas criadas, e contando com toda versatilidade de um conteúdo em áudio, que você pode acessar quando estiver no transporte de casa para o trabalho ou para qualquer lugar, na fila do supermercado, ou mesmo em casa, quando quiser variar seus estudos. As possibilidades são muitas, assim como a quantidade de vezes que você pode ouvir a mesma aula.

É a tecnologia a nosso favor. A desvantagem é que todos os seus concorrentes também podem contar com esta maravilha. Porém, o que pode desequilibrar a competição, é que nem todos percebem o quanto podem aproveitar deste canal de aprendizado.  E então, aqueles que conseguirem inserir mais esta forma de absorver matéria, terão mais um pontinho de vantagem.

Ainda é importante falar sobre a facilidade de cada estudante e sua preferência para a relação com os conhecimentos adquiridos. Há os que são mais visuais, os auditivos e os cinestésicos. Porém, a ideia aqui, não é adentrar neste assunto, mas dar a dica de que você não precisa ser um exímio escutador para utilizar o áudio como ferramenta, assim como não precisa ser um expert em desenho para desenvolver fichas com figuras. Minha sugestão e é o que prego ao longo de toda a descrição deste método, é que você ouse além da sua zona de conforto, e garanto que com o tempo, os resultados superarão a sua ideia de que uma determinada prática seria difícil de implementar.

Minha palavra para isso é muito simples: TENTE!


Um problema que é muito freqüente na organização dos áudios de estudo é quanto a localização da matéria no computador, de modo a se ter sempre a noção de tudo que temos gravado.

Recomendo a organização em pastas que vão se refinando até chegar naquele conjunto de estudos. Aí vão alguns exemplos, e percebam que vale para qualquer disciplina:

PASTA PRINCIPAL:

BIOLOGIA

Sub Pasta: Genética

Sub sub pasta: Mendel

Sub sub pasta: Morgan

Sub sub pasta: DNA (Watson, Crick, Wilkins)

PASTA PRINCIPAL:

DIREITO ADMINISTRATIVO

Sub Pasta: Princípios

Sub sub pasta: Supremacia do interesse Público

Sub sub pasta: Indisponibilidade do interesse Público

Sub sub pasta: Princípio da Legalidade

Sub sub pasta: Princípio da Impessoalidade

PASTA PRINCIPAL:

PORTUGUÊS

Sub Pasta: Sintaxe

Sub sub pasta: Sujeito e Predicado

Sub sub pasta: Compl. Nominal e Compl. Verbal

Sub sub pasta: Adj. Adnominal e Adj.Adverbial

Sub sub pasta: Aposto e Vocativo

Esta forma de organizar as matérias no seu computador é muito útil para quando você desejar estudar determinada parte da matéria. É diferente de nomear o arquivo apenas com a data da aula. Você pode perder um bom tempo procurando um tópico específico no futuro.

 

Ao contrário, ao ouvir a aula pela primeira vez, crie um nome para aquele arquivo; assim a localização posterior será muito mais rápida. E acredite, as matérias, que parecem pequenos montinhos de areia no início dos estudos, viram verdadeiras montanhas depois de alguns meses e anos de dedicação. Então, nada melhor do que manter o controle desde os primeiro passos.

Sobre o estudo por áudio ainda existem três importantes utilidades:
 

• Escutar a aula em momentos fora do horário habitual de estudo, como por exemplo no trânsito entre casa-trabalho-estudos- seja no ônibus, metrô, táxi, carro; na fila do banco, do consultório, esperando as crianças na escola ou em qualquer hora em que você tenha que obrigatoriamente ficar parado esperando algo;


• Antes de dormir, ao invés de fazer aquela leitura recomendada no capítulo “O Embaralhar”, escute uma aula. Não tem problema se você dormir no decorrer da fita. Esta parte do estudo é apenas um complemento descontraído do estudo, sem o peso da obrigação imposta no estudo diário;

 

• Leia capítulos do livro em voz alta, e escute na hora em que quiser variar as fontes de contato com a matéria. Lembre-se de que o cérebro gosta de variações, e que a quebra da monotonia pode fazer a diferença entre um estudo mais eficiente e outro que, apesar de consumir horas, é desgastante e improfícuo;


• E aqui uma dica incrível e certamente invisível para quem não conhece o método contido neste livro: Leia um bloco inteiro de fichas em voz alta com o gravador ligado. Desta forma você terá o bloco de fichas também em áudio, e poderá escutá-lo quando quiser. E mais do que isso, você estará escutando simplesmente a melhores partes daquilo que já estudou, com o diferencial de estar narrado com a sua própria voz e ser a sua exata impressão daquelas matérias. Garanto que é um exercício muito legal. Se ficar cansativo, você não precisa narrar o bloco todo de uma só vez. Pegue de 20 em 20 fichas.